Notícias

Imprimir
  • 22/10/2020 Geral

    Após pressão dos sindicatos, Greca volta atrás no calote do IPMC

    Após pressão dos sindicatos, Greca volta atrás no calote do IPMC
    Arte: Ctrl S
    Decreto foi revogado nesta quarta-feira, porém, Greca conseguiu deixar de repassar mais de R$ 110 milhões ao Instituto

    Na última quarta-feira (21), após a cobrança dos sindicatos, o desgoverno Greca revogou o Decreto nº 1294/2020 que autorizava o calote nos repasses da contribuição da Prefeitura ao Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Curitiba (IPMC). A aprovação da Lei aconteceu em junho de 2020, com amplo apoio bancada do pacotaço, que conta com quatro vereadores investigados por nepotismo.

    Até dezembro de 2020, a Prefeitura esperava economizar mais de R$ 260 milhões às custas dos trabalhadores. Porém, mais uma vez, a cobrança dos sindicatos surtiu efeito e Greca voltou atrás. Mas é claro que no período em que o Decreto ainda estava em vigor, a administração conseguiu deixar de contribuir com cerca de R$ 110 milhões em apenas três meses, reduzindo ainda mais o patrimônio do Instituto.

    O ataque orquestrado à previdência aconteceu no mesmo momento em que os empresários milionários do transporte receberam quase R$ 200 milhões de Greca. Não é estranho que o desprefeito tire dinheiro da previdência dos servidores enquanto coloca quase metade do valor nas mãos do empresariado?

    A bancada do tratoraço foi fundamental para que o desprefeito pudesse aprovar mais essa medida, que representa o desmonte e a descapitalização do IPMC. Mas os vereadores não são os únicos que tentam destruir a Previdência dos trabalhadores a qualquer custo. Respaldado com a Reforma da Previdência de Bolsonaro, Greca aproveitou a pandemia para aumentar a alíquota de contribuição dos servidores de uma vez só, para 14%.

    O aumento gradual da alíquota foi aprovado, em 2017, com o pacotaço, mas a Reforma da Previdência de Bolsonaro determinou que os estados e municípios aumentassem a alíquota paga pelos servidores para 14%. O que prova que Greca e Bolsonaro defendem a mesma política que retira direitos dos mais pobres e favorece os mais ricos!

    A descapitalização do IPMC é um projeto político!

    Não é à toa que Greca tenta descapitalizar o IPMC. A política por trás dessa manobra é a privatização da previdência, jogando o dinheiro dos servidores na mão da iniciativa privada. É por isso que o desprefeito continua realizando manobras para deixar de aplicar dinheiro no Instituto, ao mesmo tempo que continua dando aporte para a insustentável CuritibaPREV. Afinal de contas, quanto menos recursos o IPMC tiver, melhor para Greca!

    Só em 2017, a Prefeitura retirou cerca de R$ 700 milhões da nossa aposentadoria e essa não é a única forma que Greca tem usado para descapitalizar o IPMC. Com a não reposição do quadro de servidores e contratações mais precárias, a saúde do Instituto é afetada diretamente. Além disso, o congelamento das carreiras e salários que também congela os valores repassados para a nossa previdência.

    Nas suas propagandas mentirosas, Greca diz que cuida da aposentadoria dos servidores, mas a verdade é que o patrimônio do IPMC foi desmontado durante sua gestão. Em março de 2017, o IPMC tinha acumulado em investimentos R$ 2,3 bilhões. Hoje, esse valor foi reduzido para R$ 1,6 bilhão. Uma queda gigantesca de mais de meio bilhão de reais no patrimônio que pertence à aposentadoria dos servidores!

    Fim da seguridade social

    Mais uma manobra foi anunciada na reunião do Conselho de Administração IPMC, no qual os sindicatos têm apenas um voto. A administração defendeu que sejam retirados pagamentos importantes do Instituto, como auxílio-doença, salário maternidade e salário família.

    O problema é que a Prefeitura pode usar estes direitos como desculpa para não realizar reajustes salariais, por exemplo. Sabemos que embora a folha de pagamento dos servidores esteja abaixo do limite prudencial, Greca não poupa esforços para economizar às custas dos trabalhadores para beneficiar os empresários. Ou seja, a Prefeitura, além de usar direitos básicos como desculpa para não aumentar os salários, pode também avançar no assédio moral daqueles que recebem benefícios de seguridade social visando retirar direitos.

    Seguimos na luta pelo IPMC!

    Mesmo com os inúmeros ataques, o SISMUC e o SISMMAC seguem juntos na luta pela previdência! Seguimos acompanhando as discussões e cobrando constantemente a Prefeitura. Não aceitaremos que o IPMC seja desmontado e por isso, é importante que você, servidor, também acompanhe os nossos canais de comunicação e junte-se a nós na luta em defesa da nossa previdência.

    Imprensa Sismuc e Sismmac
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Nunes Machado, 1577 - Rebouças, Curitiba - PR. CEP: 80220-070     Fone/Fax: (41) 3322-2475 | (41) 98407-4932     E-mail: sismuc@sismuc.org.br
Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 18h.

DOHMS