Notícias

Imprimir
  • 20/04/2021 Educação

    Ofensa de Ricardo Barros escancara descaso com a vida e com a educação

    Ofensa de Ricardo Barros escancara descaso com a vida e com a educação
    Arte: CtrlS
    Declarações foram feitas no mesmo dia em que a Câmara vota projeto que proíbe fechar unidades escolares na pandemia

    Como se não bastasse sua atuação política contrária à educação, o deputado federal Ricardo Barros (PP/PR) decidiu baixar o nível nesta terça-feira (20) e ofender diretamente as trabalhadoras e trabalhadores da educação. O deputado que exerce o cargo de líder do governo Bolsonaro na Câmara Federal disse, em entrevista à CNN Brasil, que o “professor não quer trabalhar” e que não existe demanda por conexão à internet nas escolas porque as direções “não entendem de informática” e não querem que alguém que entenda seja eleito em seu lugar.

    As ofensas de Ricardo Barros não são apenas fruto de ignorância ou do desconhecimento sobre a realidade das unidades de ensino e sobre a sobrecarga exigida nesse momento de ensino remoto. Quem conhece o dia a dia sabe que os professores e demais trabalhadores da educação não pararam de trabalhar e que estão trabalhando mais do que se estivem no presencial. As declarações fazem parte de uma estratégia que incentiva o ódio e tenta criar o imaginário de que os professores e demais trabalhadores da educação pública são privilegiados e não querem trabalhar.

    Ricardo Barros chegou ao cúmulo de dizer que os professores causam “dano" aos estudantes por não darem aulas presenciais durante a pandemia, como se a culpa não fosse do governo pela demora na vacinação, pelo descontrole da pandemia e pela falta de investimentos que permitam adaptar a educação a este momento tão crítico. Mais de um ano depois do início da pandemia, não houve investimento para melhorar a ventilação das salas de aulas, nem para garantir celulares e computadores a professores e estudantes.

    Ao ofender de forma tão vil quem educa as filhas e filhos da classe trabalhadora, Ricardo Barros tenta desviar a atenção do verdadeiro culpado. Diz que escolas não têm conectividade por falta de demanda para esconder que Bolsonaro vetou o projeto de Lei 3477/2020, que destinava recursos para internet gratuita em unidades escolares da rede pública na pandemia. Diz que as aulas presenciais estão suspensas porque os professores não querem trabalhar para esconder que o fracasso no controle da pandemia é responsabilidade do governo, que preferiu proteger os lucros ao invés de vidas. Se em outros países as crianças ficaram apenas 70 dias sem aula, é porque os governos investiram de verdade no controle da pandemia para garantir isolamento social, com ajuda financeira maior e mais extensa, assim como um retorno com o mínimo de segurança. Enquanto aqui, o Bolsonaro estimulou aglomerações, desencorajou o uso da máscara, recusou ofertas para compra de vacinas ao longo de todo o ano de 2020, além de promover medicamentos sem eficácia para a Covid-19 e que trazem riscos comprovados à saúde.

    As declarações de Ricardo Barros também escancaram quais são as intenções por trás do projeto de 5595/2020, que está sendo debatido hoje no Plenário da Câmara Federal. O governo não tem pressa em garantir a vacinação das trabalhadoras e trabalhadores da educação, mas quer aprovar esse projeto infame para retomar o ensino presencial neste que é o momento mais crítico da pandemia. O projeto transforma a educação básica e ensino superior, em formato presencial, como atividade essencial e proíbe a suspensão das aulas presenciais, tirando a autonomia de prefeitos e governadores, que só poderão decretar a suspensão das aulas diante de “critérios técnicos e científicos” não especificados no projeto.

    Clique aqui para acompanhar a votação. Acesse o chat e envie comentários falando sobre os riscos que esse projeto representa! https://www.youtube.com/watch?v=zxwTp05U2XE

    Você também pode enviar sua manifestação de repúdio para o deputado Ricardo Barros. O e-mail é dep.ricardobarros@camara.leg.br e o número do WhatsApp é (61) 3215-5412

    Imprensa SISMUC SISMMAC
Voltar para o Índice

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Rua Nunes Machado, 1577 - Rebouças, Curitiba - PR. CEP: 80220-070     Fone/Fax: (41) 3322-2475 | (41) 98407-4932     E-mail: sismuc@sismuc.org.br
Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 18h.

DOHMS